segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Encontro com as Coordenações Regionais e Bispos Referenciais CNBB


Convocados pela Comissão nacional de catequese, coordenações de catequese de 17 regionais da CNBB estão reunidos em Brasília, nas Pontifícias Obras Missionárias.




O tema principal da pauta é a formação de catequistas.

O grupo hoje partilhou como anda a formação de catequistas nos regionais e dioceses. Foi unanime a decisão de que será necessário elaborar um novo subsídio com orientações para a formação de catequistas na paróquia, diocese e regional. Um subsídio que contemple o novo perfil de catequistas.


O encontro segue amanhã tendo como 
temas a catequese na era digital e a possibilidade de formação à distância para catequistas.
                              
Fonte: Catequese e Bíblia

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

MENSAGEM PARA A QUARESMA - D. TARCÍSIO SCARAMUSSA

MENSAGEM PARA A QUARESMA - D. TARCÍSIO SCARAMUSSA

Mensagem de D. Tarcísio Scaramussa,SDB, Bispo Diocesano de Santos, para o Tempo da Quaresma e Campanha da Fraternidade 2016.

Publicado por Diocese De Santos Dcs em Segunda, 15 de fevereiro de 2016


Diocese de Santos/SP

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Artigo Fevereiro - 2016 Padre Aparecido Neres Santana CSS - Assessor Eclesiástico da Comissão AB-C.

Ele está no meio de nós!


              Ainda na Trilha do discipulado, Jesus dá a garantia da sua presença no meio dos discípulos – “E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”! (Mt 28, 20b). Refletimos, nos dois últimos Artigos, sobre o mandato final do ressuscitado: “Fazei discípulos, batizai e ensinai”. Agora, nestas últimas palavras no Evangelho de Mateus, Jesus garante que estará presente por meio do Espírito Santo, na vida e nos corações dos seus seguidores, animando-os em todos os sentidos.
              É a mesma garantia de Deus a Moisés, quando o envia em missão para libertar o povo da escravidão no Egito: “Eu estarei contigo” (Ex. 3, 12a). Ou ainda, quando anuncia pela boca do profeta Isaías (7,14): “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho (celebramos no Natal), e o chamarão com o nome de Emanuel, o que traduzido significa ‘Deus conosco’” (Mt. 1, 23).
           Em Jesus Cristo se realiza a presença permanente de Deus com seu povo. Desta forma  o ressuscitado, garante sua presença continua nas pessoas, principalmente nos pobres, (Cf. discurso escatológico Mt 25, 31-46), e na comunidade dos discípulos(as) – “Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ali estou no meio deles” (Mt 18, 20). Como mostra o texto bíblico, essa é uma palavra de promessa, a garantia para os discípulos de que nunca estarão sozinhos. Esta certeza da presença de Jesus com os que são e se tornarão discípulos(as), não é uma palavra isolada, mas ligada e condicionada à obediência do mandato: o que vem antes da garantia da presença, que é “ser discípulo”(a) e “fazer discípulos”(as). 
           Por isso, com a certeza da presença de Jesus, não devemos ter medo, como disse Jesus a Pedro: “Avança para as águas mais profundas e lançai vossas redes para a pesca” (Lc 5, 4). Portanto, o discípulo(a), não pode ter medo e deve sempre, em obediência à Palavra de Deus, fazer mais um esforço, “jogar as redes” mais uma vez, nunca desanimar.
          Finalmente, o discípulo(a), deve estar sempre pronto a deixar o comodismo e sair, como pede o papa Francisco para ser “uma Igreja em Saída missionária” (EG 20), para “pescar”, lançar as redes, isto é, evangelizar, e depois pastorear, “fazer discípulos”(as).  

Perguntas:
1-Diante dessa realidade, temos que nos perguntar: será que estamos percebendo a presença de Jesus em nosso meio? Será que em nossas atitudes cotidianas, estamos realmente fazendo a opção de ser discípulos(as) de Jesus?


Padre Aparecido Neres Santana- Assessor Eclesiástico da Comissão AB-C.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Início da Quaresma: Papa indica oração, caridade e penitência

Papa celebrou a Missa de Quarta-Feira de Cinzas no Vaticano, dando início à Quaresma

Reconciliar-se com Deus e retornar a Ele com todo o coração. Esses foram os dois convites que o Papa Francisco deixou aos fiéis na missa da Quarta-Feira de Cinzas, 10, início da Quaresma. O Santo Padre também indicou três remédios para curar as feridas do pecado: oração, caridade e penitência.
Francisco explicou que a reconciliação com Deus não é somente um bom conselho paterno, mas uma súplica em nome de Cristo, que sabe o quanto o ser humano é frágil e pecador e precisa sentir-se amado para fazer o bem. “Sozinhos não somos capazes (…) Ele [Cristo] vence o pecado e nos levanta das nossas misérias, se nós as confiamos a Ele. Cabe a nós nos reconhecermos necessitados de misericórdia: é o primeiro passo do caminho cristão”.
Nesse sentido, o Santo Padre alertou sobre alguns obstáculos que podem fechar as portas do coração, como a tentação de conviver com o próprio pecado de forma a minimizá-lo, ou então ter vergonha de abrir a porta do coração. “A vergonha, na verdade, é um bom sintoma, porque indica que queremos nos afastar do mal, no entanto, nunca deve se transformar em temor ou medo”.
O Papa explicou ainda que o Evangelho que abre a Quaresma convida os fiéis a abraçarem três remédios que curam do pecado: a oração, a caridade e a penitência. “De fato, Jesus nos chama a viver a oração, a caridade e a penitência com coerência e autenticidade, vencendo a hipocrisia (…) Coloquemo-nos em caminho juntos, como Igreja, recebendo as Cinzas e tendo o olhar fixo sobre o Crucifixo”.
Nessa celebração de Quarta-Feira de Cinzas, Francisco enviou os Missionários da Misericórdia, no contexto do Ano da Misericórdia. Ao todo, serão 1071 padres que são chamados a “exprimir a beleza do perdão de Deus” em todos os continentes.
Esses missionários também terão a faculdade de perdoar pecados “reservados”, ou seja, que só podem ser perdoados pela Santa Sé (Penitenciária Apostólica), como a profanação da Eucaristia, a violação do sigilo sacramental (por parte de um sacerdote) ou a violência física contra o Papa, por exemplo.
“Queridos irmãos, que vocês possam ajudar a abrir as portas dos corações, a superar a vergonha, a não fugir da luz. Que as vossas mãos abençoem e levantem os irmãos e as irmãs com paternidade; que através de vocês o olhar e as mãos do Pai pousem sobre os filhos e curem suas feridas”, disse o Papa na homilia.

http://papa.cancaonova.com/inicio-da-quaresma-papa-indica-oracao-caridade-e-penitencia/

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016 - “Casa Comum, nossa responsabilidade”



A IV Campanha da Fraternidade Ecumênica tem como tema: “Casa Comum, nossa responsabilidade” e nos propõe dois objetivos entrelaçados e decorrentes do nosso compromisso de fé. O primeiro objetivo tem relação com o tema central dessa Campanha que é o saneamento básico. Entendemos que o acesso a esse serviço é condição essencial para a garantia de justiça socioambiental, que se expressa na erradicação da pobreza, no cuidado com o meio ambiente e na redução na mortalidade infantil. O saneamento básico compreende o abastecimento de água potável, o esgoto sanitário, a limpeza urbana, o manejo dos resíduos sólidos, o controle de meios de transmissão de doença e a drenagem de águas pluviais. O segundo objetivo é motivar a vivência ecumênica. Todas as pessoas que assumem a fé em Jesus Cristo são chamadas a trabalhar juntas no cuido da Casa Comum. Essa responsabilidade é conferida a nós pelo Batismo. Para tanto, precisamos superar os conflitos e nos abrirmos para o diálogo, para conhecer e saber quem é o irmão e a irmã da outra igreja. Isso significa valorizar a unidade cristã sem desconsiderar que há formas diferentes de viver a fé em Jesus Cristo. Nosso testemunho torna-se mais evidente quando podemos fazer isso juntos. Estes dois objetivos têm a ver com o que Deus quer de nós, com seu projeto de construção de um mundo mais fraterno e justo. Venha conosco! Vamos juntos promover a paz e o direito de se ter direito! 


Hino da CFE 2016
Letra: José Antonio de Oliveira Música: Adenor Leonardo Terra 1. Eis, ó meu povo o tempo favorável/ Da conversão que te faz mais feliz;/ Da construção de um mundo sustentável,/ “Casa Comum” é teu Senhor quem diz: Refrão: Quero ver, como fonte o direito a brotar,/ A gestar tempo novo: e a justiça,/ qual rio em seu leito, dar mais vida/ pra vida do povo. 2. Eu te carrego sobre as minhas asas/ Te fiz a terra com mãos de ternura;/ Vem, povo meu, cuidar da nossa casa!/ Eu sonho verde, o ar, a água pura. 3. Te dei um mundo de beleza e cores,/ Tu me devolves esgoto e fumaça./ Criei sementes de remédio e flores;/ Semeias lixo pelas tuas praças. 4. Justiça e paz, saúde e amor têm pressa;/ Mas, não te esqueças, há uma condição:/ O saneamento de um lugar começa / Por sanear o próprio coração. 5. Eu sonho ver o pobre, o excluído/ Sentar-se à mesa da fraternidade;/ Governo e povo trabalhando unidos/ Na construção da nova sociedade.

Oração da CFE 2016
Deus da vida, da justiça e do amor, Tu fizeste com ternura o nosso planeta, morada de todas as espécies e povos. Dá-nos assumir, na força da fé e em irmandade ecumênica, a corresponsabilidade na construção de um mundo sustentável e justo, para todos. No seguimento de Jesus, com a Alegria do Evangelho e com a opção pelos pobres. Amém!


Mensagem do Papa Francisco para Quaresma 

COMO VIVER BEM A QUARESMA. 
Para a Quaresma o Papa Francisco propõe 15 simples atos de caridade que ele mencionou como manifestações concretas de amor:
1. Sorrir, um cristão é sempre alegre!
2. Agradecer (embora não “precise” fazê-lo).
3. Lembrar ao outro o quanto você o ama.
4. Cumprimentar com alegria as pessoas que você vê todos os dias.
5. Ouvir a história do outro, sem julgamento, com amor.
6. Parar para ajudar. Estar atento a quem precisa de você.
7. Animar a alguém.
8. Reconhecer os sucessos e qualidades do outro.
9. Separar o que você não usa e dar a quem precisa.
10. Ajudar a alguém para que êle possa descansar.
11. Corrigir com amor; não calar por medo.
12. Ter delicadezas com os que estão perto de você.
13. Limpar o que sujou, em casa.
14. Ajudar os outros a superar os obstáculos.
15. Telefonar para seus pais.

O MELHOR JEJUM
• Jejum de palavras negativas e dizer palavras bondosas.
• Jejum de descontentamento e encher-se de gratidão.
• Jejum de raiva e encher-se com mansidão e paciência.
• Jejum de pessimismo e encher-se de esperança e otimismo.
•Jejum de preocupações e encher-se de confiança em Deus.
• Jejum de queixas e encher-se com as coisas simples da vida.
• Jejum de tensões e encher-se com orações.
• Jejum de amargura e tristeza e encher o coração de alegria.
• Jejum de egoísmo e encher-se com compaixão pelos outros.
• Jejum de falta de perdão e encher-se de reconciliação.
• Jejum de palavras e encher-se de silêncio para ouvir os outros.