domingo, 31 de maio de 2015

Assembleia da Sociedade Brasileira de Catequetas





Sociedade Brasileira de Catequetas
Assembleia 29-30/05/2015





A Sociedade Brasileira de Catequetas - SBCat nasceu em 2012 com a finalidade de ser um espaço privilegiado de reflexão e produção catequética, a serviço da nova evangelização, em espírito de comunhão e participação e realizou nos dias 29 e 30 de maio p.p. a sua segunda Assembleia Ordinária na Casa La Salle de Eventos, em São Paulo.

O principal tema de estudo, reflexão e oração foi a partir do livro Itinerário Catequético. Iniciação à Vida Cristã – um processo de inspiração catecumenal, lançado em novembro de 2014 pela Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB.

O Pe. Abimar Oliveira de Moraes, que é membro dessa Sociedade e também da Equipe de Elaboração do Itinerário, conduziu o grupo numa significativa viagem percorrendo desde o sonho desse projeto, manifestado explicitamente nas Diretrizes da CNBB (2011-2015), passando pelo envolvente trabalho de construção do texto ao longo de três anos até chegar na concretização e publicação desse livro que já está indo para sua 3ª edição.

Por causa da importância do próprio Itinerário em si, e tendo presente a grande e imediata repercussão que este texto está tendo entre os catequistas e também entre padres e bispos, a Assembleia discerniu que era urgente e necessária a realização do aprofundamento de alguns dos muitos elementos dessa proposta. Foi, então, decidido que vários de seus membros irão elaborar artigos simples, mas com a devida profundidade, que contribuam para que o processo de Iniciação à Vida Cristã vá se concretizando cada vez melhor em todos os cantos do nosso Brasil. Todo esse material será devidamente organizado em um livro a ser editado ainda durante esse ano, constituindo a primeira publicação da SBCat.

Houve também a enriquecedora partilha das experiências realizadas pelos seus membros nas mais variadas regiões do país, tanto diretamente com os catequistas, como também com bispos, padres e demais agentes de pastoral sempre buscando favorecer o entendimento e a realização de uma catequese a serviço da Iniciação à Vida Cristã e da consequente formação continuada.










Nosso Pe. Luís Gonzaga Bolinelli – Assistente Eclesiástico da Comissão AB-C da Diocese de Santos, faz parte desta comissão.


Releitura da Vida

Em tempo de mudança de época, entendemos como nova visão de vida, a exigência de uma releitura de sua existência e de seu valor. A vida é a identidade do ser, e um dom divino na pessoa humana. A morte significa que o dom deixou de existir, deixou de ter a sustentação proporcionada pela ação criadora de Deus.

Nesse final do mês de maio de 2015 celebramos a Festa da Santíssima Trindade. É uma forma de Deus se revelar, conforme as palavras da Sagrada Escritura. Deus aparece como família, com a presença do Pai, a existência do Filho, fruto do amor, e o Espírito Santo, expressão do relacionamento das Pessoas Divinas. Deve ser essa a imagem da família bem constituída.

Pelas palavras da bíblia, algumas características marcam a identidade da vida das três Pessoas da Santíssima Trindade. Entre elas estão, a justiça e a misericórdia, praticadas em todos os tempos na história dos povos. A releitura da vida supõe reconsiderar o valor dessas duas virtudes, assumindo as exigências que lhes são próprias.

Cada pessoa deve entrar em relação com a comunidade divina, como mergulho na vida, de onde renasce a vida nova, uma releitura do processo de morte e ressurreição de Jesus Cristo. No exemplo da família divina, formamos a família humana, no cumprimento do grande mandamento do amor.

É fundamental entender que Deus está próximo das pessoas e faz com elas uma aliança de amor. Ele age como um pai que conduz o filho no caminho do bem. Por isso é chamado de Pai, de Abbá, que encoraja o filho a ter amor verdadeiro e de compromisso com a casa paterna, onde deve ser responsável e feliz. “Todos os que se deixam guiar pelo Espírito de Deus são filhos de Deus” (Rm 8,14).

Releitura significa abertura da mente e do coração, capacidade de agir de forma nova e de serviço ao outro. Jesus foi sempre conduzido pelo Espírito e em obediência ao Pai. Só conseguimos entender a Trindade Santa à luz da vida de Jesus, vida assumida no contexto da fé e de compromisso com Deus.

Dom Paulo Mendes Peixoto


Arcebispo de Uberaba.

Fonte: http://www.catequeseebiblia.com.br/

domingo, 17 de maio de 2015

Sondagem Comissão AB-C e Pastoral da Juventude 2014/2015




A Comissão para a  Animação Bíblico Catequética e a Pastoral da Juventude programaram encontros em todas as cidades de nossa Diocese de Santos, com Catequistas de adolescentes e  de jovens e Líderes Jovens, com o objetivo de, a partir da revisão e avaliação da sondagem feita, procurar levantar algumas pistas concretas de ação.
Neste sábado DIA 23 DE MAIO DE 2015, acontecerá na cidade de Itanhaém em conjunto com a cidade de Peruíbe, mais um encontro da AB-C e PJ.  Na Paróquia Nossa Senhora de Sion, na cidade de Itanhaém, SP. Com inicio às 14h até às 17hs.



 
Paróquia Nossa Senhora de Sion - Salão Paroquial atrás da Igreja -
Endereco: Praça Nossa Senhora de Sion, 99
Bairro: Suarão
Cidade: Itanhaém
CEP: 11740-000
Telefone: (13)3422-1216
 

Comunicamos também, que acontecerá um Encontro Diocesano, onde participarão todos os Catequistas de adolescentes e jovens e Líderes Jovens de nossa diocese: no dia 20/jun/2015, das 14h às 18h na Paróquia Sagrado Coração de Jesus. A partir das sugestões de pistas concretas de ação levantadas por cada cidade de nossa Diocese, se tentará elaborar um trabalho conjunto em vista da iniciação à vida cristã dos jovens. 
Acompanhe aqui a Mensagem do nosso Bispo Diocesano Dom Tarcísio Scaramussa aos jovens.


MENSAGEM DE DOM TARCÍSIO SCARAMUSSA AOS JOVENS
Mensagem de Dom Tarcísio Scaramussa, SDB, Bispo Coadjutor, para os jovens da Diocese de Santos.(Encontro de Formação de Evangelizadores Jovens-Comissão AB-C)
Posted by Diocese De Santos Dcs on Segunda, 16 de março de 2015

 
Catequistas de adolescentes e jovens, e líderes de jovens  ou movimentos jovens participem !
Comissão AB-C e Pastoral da Juventude



domingo, 10 de maio de 2015

“Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”


Cidade do Vaticano (RV) – “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”: o mandamento de Jesus inspirou as palavras que Francisco pronunciou antes de rezar a oração do Regina Caeli com os fiéis e peregrinos na Praça S. Pedro.

O Evangelho deste domingo (10/05) nos leva ao Cenáculo, onde Jesus se dirige aos discípulos durante a Última Ceia, acrescentando que “ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos”.

Essas palavras resumem toda a mensagem de Jesus, explicou o Papa, tudo o que Ele fez: deu a vida por seus amigos que, no momento crucial, o abandonaram, traíram e renegaram. “Isso nos diz que Ele nos ama mesmo que não mereçamos o seu amor: assim Jesus nos ama!”

Deste modo, acrescentou, Jesus nos mostra o caminho para segui-lo, o caminho do amor. "O seu mandamento não é um simples preceito, mas é novo porque Ele por primeiro o realizou, lhe deu carne, e assim a lei do amor está escrita uma vez por todas no coração do homem."

Indicando o caminho do amor, Cristo nos convida a sair de nós mesmos para ir em direção aos outros. “Jesus nos mostrou que o amor de Deus se aplica no amor ao próximo. Todos os dois caminham juntos. As páginas do Evangelho estão repletas deste amor: adultos e crianças, cultos e iletrados, ricos e pobres, justos e pecadores foram acolhidos no coração de Cristo."

Portanto, esta Palavra do Senhor nos ensina a amarmo-nos uns aos outros mesmo que haja divergências, diferenças, pois é justamente ali que se vê o amor cristão - amor que nos leva a realizar pequenos e grandes gestos que Francisco assim explicou:
"Gestos de atenção a um idoso, a uma criança, a um doente, a uma pessoa só e em dificuldade, sem casa, sem trabalho, imigrada, refugiada... Nesses gestos, se manifesta o amor de Cristo”, concluiu.



Papa manifesta gratidão e afeto a todas as mães

 

 

Foto: Irmã Vanderleia Ursulina

 

Cidade do Vaticano (RV) – Neste domingo, Dia das Mães, o Papa enalteceu mais uma vez o valor da maternidade.
 
Depois da oração do Regina Caeli, Francisco recordou “com gratidão e afeto todas as mães”. E se dirigiu à multidão perguntando se havia mães na Praça. Ao ouvir as respostas, pediu um aplauso a todas elas e fez votos de que a salva de palmas abrace todas as mães - as que vivem conosco fisicamente, mas também espiritualmente – e que recebam a proteção de Nossa Senhora.
Homenagem para as mamães
 Capela José Menino/Santos
Diocese de Santos
Em inúmeras ocasiões em homilias, discursos e catequeses, o Papa falou do elo que une a mãe a seu filho. “São elas que testemunham a beleza da vida”, disse na catequese de janeiro deste ano, citando o Arcebispo Oscar Arnulfo Romero, que dizia que as mães vivem um “martírio materno”.
Para o Pontífice, a mãe dá a sua vida pouco a pouco, no silêncio da vida quotidiana. “Ser mãe não significa somente colocar um filho no mundo, mas é também uma escolha de vida. O que escolhe uma mãe, qual é a escolha de vida de uma mãe? A escolha de vida de uma mãe é a escolha de dar a vida. E isto é grande, é bonito.” 
Eis o que disse na Audiência Geral de 18 de setembro de 2013: “Quando um filho cresce, torna-se adulto, caminha com as próprias pernas, faz o que quer e, às vezes, pode até sair do caminho. Em todas as situações, a mãe tem sempre a paciência de continuar a acompanhar os filhos. O que a impele é a força do amor; a mãe sabe acompanhar com discrição e ternura o caminho dos filhos e até quando erram procura sempre o modo de os compreender, para estar próxima, para ajudar. Nós — na minha terra — dizemos que a mãe sabe «dar la cara». Que significa? Quer dizer que a mãe sabe «dar a cara» pelos próprios filhos, ou seja, é levada a defendê-los sempre. Penso nas mães que sofrem pelos filhos na prisão, ou em situações difíceis: não se perguntam se são culpados ou não, continuam a amá-los e muitas vezes sofrem humilhações, mas não têm medo, não deixam de se doar.
A mãe sabe também pedir, bater a todas as portas pelos próprios filhos, sem calcular. E penso no modo como as mães sabem bater, também e sobretudo, à porta do Coração de Deus! As mães rezam muito pelos seus filhos, especialmente pelos mais frágeis, por quantos enfrentam maiores necessidades, por aqueles que na vida empreenderam caminhos perigosos ou errados.
Uma semana antes, utilizando uma de suas expressões preferidas, Francisco definiu uma “boa mãe” aquela que ajuda os filhos a sair de si mesmos, a não permanecer comodamente debaixo das asas maternas, como uma ninhada debaixo das asas da galinha.
As mães – recordou na ocasião -  são o antídoto mais forte contra o propagar-se do individualismo egoísta. “’Indivíduo’ quer dizer ‘que não se pode dividir’. As mães, ao contrário, ‘dividem-se’, a partir do momento que hospedam um filho para o dar à luz e fazer crescer. São elas, as mães, que mais odeiam a guerra, que mata os seus filhos. Uma sociedade sem mães seria uma sociedade desumana, porque as mães sabem testemunhar sempre, mesmo nos piores momentos, a ternura, a dedicação, a força moral.”
Paróquia Nossa Senhora das Graças/SV - Diocese de Santos
 
Fonte texto e foto Papa Francisco: Radio Vaticano

 

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Papa Francisco nomeia três bispos para o Brasil


O papa Francisco nomeou hoje, 6, dom Agenor Girardi (foto, à esquerda) como bispo da diocese de União da Vitória (PR), transferindo-o da sede titular de “Fornos Maggiore” e do ofício de auxiliar na arquidiocese de Porto Alegre (RS). Acolhendo o pedido de renúncia de dom Jacyr Francisco Braido, conforme previsto pelo Código de Direito Canônico, por motivo de idade, o papa nomeou dom Tarcísio Scaramussa (ao centro da foto) como bispo da diocese de Santos (SP), onde exercia a função de coadjutor.

Na mesma data, foi nomeado bispo da diocese de Iguatu (CE), dom Edson de Castro Homem (foto, à direita), sendo transferido da sede titular de “Muzia” e do ofício de auxiliar da arquidiocese do Rio de Janeiro (RJ).

Dom Agenor

Natural de Orleãs (SC), nasceu em 2 de fevereiro de 1952. Foi ordenado presbítero em 1982, e bispo, em 2011, após ser nomeado pelo papa emérito Bento XVI. Possui mestrado em Teologia e Espiritualidade pelo Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, e mestrado em Teologia da Vida Consagrada, pelo Instituto Claretiano, também Roma.

Seu lema: “Ametur Cor Jesu” (Amado seja o Coração de Jesus).

Dom Tarcísio

Natural de Vargem Alta (ES), nasceu em 19 de setembro de 1950. Foi ordenado presbítero em 1977, e bispo, em 2008, após ser nomeado pelo papa emérito Bento XVI, como bispo auxiliar de São Paulo. Em sua missão episcopal, dom Tarcísio exerceu a função de vigário episcopal da Região Sé, secretário do regional Sul 1 da CNBB, bispo referencial para o Setor Universidades, Ensino Religioso, Dimensão Bíblico-catequética e Setor Juventude, também na CNBB.

Seu lema: “E habitou entre nós” (Jo 1,14)

Dom Edson

Natural do Rio de Janeiro (RJ), nasceu em 17 de abril de 1949. Foi ordenado presbítero em 1977, e bispo, em 2005, após ser nomeado pelo papa emérito Bento XVI. Possui mestrado em Teologia e Filosofia e, doutorado em Teologia Espiritual pelo Universidade Gregoriana de Roma. Também é doutor em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Seu lema: “Sufficit tibi gratia” (Basta-te a minha graça). 
Fonte: CNBB



COLETIVA DE IMPRENSA - NOVO BISPO DIOCESANO DOM TARCÍSIO SC.



No 6 de maio de 2015, após o anúncio da aceitação da renúncia de Dom Jacyr Francisco Braido,CS como bispo diocesano de Santos, o novo bispo diocesano Dom Tarcísio Scaramussa reuniu a Imprensa Regional para falar sobre este processo de transição no governo da Igreja Diocesana, desafios pastorais e perspectivas para os próximos anos. Também esteve presente na Coletiva Pe. Vagner Argolo, Chanceler do Bispado. Estiveram presentes Santa Cecília TV, Jornal e TV Tribuna, Boqueirão News.

Acompanhe também noticiário clique aqui:  TV Tribuna - G1- jornal Tribuna - 1º edição.

Fonte: Diocese de Santos/SP 
#ReligiaoDom Tarcísio Scaramussa assume o governo da Diocese De Santos Dcs como bispo titular. O ex-bispo Dom Jacyr Francisco Braido, disse que se dedicará a atividade pastoral.
Posted by Boqnews on Quinta, 7 de maio de 2015



 

terça-feira, 5 de maio de 2015

Artigo Pe. Luís Gonzaga Bolinelli - Maio de 2015



Evangelizar todas as criaturas.

Evangelizar é a missão fundamental da Igreja e que nós todos assumimos como uma das consequências do nosso Batismo. Mais do que uma obrigação, é importante que vejamos o trabalho evangelizador como uma necessidade que a própria sociedade tem na busca do seu verdadeiro significado. Portanto, enquanto batizados, cada um de nós tem a responsabilidade de deixar esse mundo melhor através de nosso jeito próprio de viver e evangelizar.
A evangelização pode acontecer de diversos modos e, de uma forma geral, podemos dizer que se realiza em três momentos distintos, mas complementares entre si. Em todo o caso, é importante nos lembrarmos sempre que nosso objetivo ao realizarmos essa tarefa, não é o de ficarmos enchendo a outra pessoa com regras, normas e doutrinas a serem seguidas, mas sim o de oferecermos uma proposta de vida melhor e significativa, que tenha sentido hoje e sempre.
Num primeiro momento é importante que a gente apresente nossa proposta de uma forma interessante para que a outra pessoa se sinta motivada a escutá-la e acolhê-la. Que ninguém se iluda: as pessoas não estão procurando doutrinas, igrejas, religiões, mas sim o verdadeiro sentido de sua existência nesse mundo marcado por tantas contradições e desafios. Por isso é nosso dever anunciar Jesus Cristo com seu estilo acolhedor e promotor da vida plena.
Temos que ter claro para nós, e por isso mesmo anunciar, que a grande preocupação de Jesus, quando veio até nós, é que entendêssemos e acolhêssemos a proposta de vida nova, verdadeira e plena que o Pai tem para todos. Todos seus ensinamentos e jeito de agir vão nessa direção: ajudar o outro a encontrar a motivação e sentido da vida, achando seu lugar nesse mundo, junto com as outras pessoas e em harmonia com o Deus que é rico em misericórdia. Foi essa a missão que ele confiou a todos os seus discípulos, deixando claro que a tarefa de evangelizar é mais do que ensinar belos e importantes conceitos doutrinários e teológicos, é, principalmente, levar vida e vida plena e verdadeira a quem quer que seja!
Após despertar essa fé em Jesus Cristo é necessário aprofundar o que significa acolhê-lo concretamente na própria vida. Afinal, ter fé em Jesus Cristo não quer dizer “tenho certeza que ele vai fazer milagres na minha vida” ou “Jesus vai resolver todos os meus problemas” ou outras crendices e superstições que distorcem e atrapalham o significado da fé verdadeira. Somente um bom trabalho catequético levará a pessoa a um crescimento progressivo e significativo do conhecimento e acolhida da vida, mensagens e mistérios de Jesus Cristo. Nesse segundo momento da evangelização, que é a catequese, se deve aprender, inclusive, qual o melhor jeito de entender, interiorizar e viver a Palavra de Deus que encontramos na Bíblia, superando leituras fundamentalistas, que se fixam numa leitura literal do texto e deturpam a riqueza da mensagem que ali está contida.
Quem passa por uma catequese bem realizada, com certeza se torna aquele cristão com uma fé madura, capaz de viver de uma forma nova, alegre, com a certeza de poder testemunhar sempre, através de seu modo de agir, a vida plena que Deus quer para todos. Agora, nesse terceiro momento da evangelização, além de se tornar ela mesma uma nova e eficiente evangelizadora, a pessoa tem a consciência de que ainda não sabe tudo e se dedica ao contínuo crescimento de sua fé através da catequese ou formação permanente.
Aprofundamento a partir da Palavra de Deus: Na Festa da Ascensão do Senhor vamos refletir sobre o seguinte texto bíblico: Mc 16,15-20. Convido você a lê-lo com calma, prestar atenção e responder: Quem tem a missão de evangelizar? Quem deve ser evangelizado? Como entender os sinais que o texto apresenta? Eu estou realizando minha missão de evangelizar?

Pe. Luís Gonzaga Bolinelli – Assistente Eclesiástico da Comissão AB-C